Review**A Revolução de 1911—辛亥革命 (Voltando)

Voltando a postar no blog apesar de abandonado tento criar coragem para voltar sempre bom escrever 🙂

A Propaganda é a alma do negócio

1911 dirigido por Jackie Chan e co-dirigido por Zhang Li, nos trás a interessante historia sobre a revolução chinesa de 1911 idealizada por Sun Yat Sen (ou Sun Wen), foi responsável pela queda da ultima dinastia da China (Qing), representou também o surgimento de uma china tentando ser independente das potências que a exploravam no inicio do século XX.

Em um filme com tantas caras essas são as em destaque

Um filme que fica entre o capricho e as falhas

O filme conta com um elenco de primeira incluindo o próprio Chan e outras estrelas como Winston Chao (The Soong Sisters e Island of greed), Lee Bing Bing (do excelente A mensagem), Joan Chen (Lust Caution,Xiu Xiu: The Sent Down Girl) entre outros atores com participações menores. Não fora o elenco pertencentes a grandes filmes  mas também toda a direção e qualidade de uma produção que nos brinda com visuais incriveis, desde sua atmosfera ao figurino, tudo muito bem produzido para representar a época do filme.Logo aqui nos fica claro o empenho que nos é mostrado pela produção.

Momentos pessoais que poderiam ser mais pessoais e menos vazios

O longa começa com uma excelente e dramática cena, muito bem escolhida, uma cena de excecussão de uma revolucionária chinesa (Qiu Jin), dae somos apresentados a inumeras figuras históricas da então futura primeira republica como Sun Wen (mais uma vez representado pelo excelente Winston Chao), e logo a estrela da capa do filme Huang Xing (Jackie Chan ), para aquele que não conhecem a historia chinesa podem ficar cheios de nomes na cabeça mas isso não atrapalha no entendimento das situações do filme. E é nas situações que o longa não se mantém, com um enredo fraco e obviamente propagandistico o longa nos coloca em uma constante situação de algo esta apara acontecer (no caso a revolução), porém cumpre e ao mesmo tempo não cumpre um bom papel esclarecedor dos fatos que tenta explicar; o principal problema de “A revolução de 1911“ é atropelar acontecimentos tentando por uma aula de história em um filme, e em parte cumpre o seu papel, conseguimos pegar a ideia da situação da China naquele tempo e entender o processo de derrubada da Dinastia Qing, mas fica aqui a decepção com  um enredo atrapalhado que por vezes coloca o mero expectador em dialogos que jamais se completaram (por motivos históricos) e situações atropeladas como a tentativa de inserir na trama momentos particulares da vida de Huang Xing (Jacki Chan) e sua companheira Xu Zong Han (Lee Bing Bing), momentos esse que são uma boa pitada de emoção no filme, porém tão escassos que ficam soltos e vazios numa explosão de debates politicos e cenas de intenso combate.

Joan Chen como Imperatriz Long Yu, uma das personagens mais interessantes que o filme oferece

Agora se olharmos o que 1911 tem de melhor a oferecer-nos fora a grande aula de história, temos cenas de ação ótimas, não esperem sequencias de luta como nos outros filmes de Jackie Chan mas sim cenas de guerra muito bem produzidas e dramáticas seja pela trilha sonora seja pela construção e dramaticidade das batalhas que são muitas. Temos diálogos excelentes e fortes, como o filme não deixa de ser uma propaganda histórica de um fato aplaudido pelo governo atual (principal financiador do longa), em muitos momentos os dialogos são meio “piegas” porém cumprem um papel de entreter o espectador na medida do que é proposto; a atuação de Winston Chao como Sun Wen lider revolucionário é brilhante, Winston ja havia encarado o personagem no longa The Soong Sisters brilhantemente; temos também a maravilhosa Joan Chen que nos brinda com o papel da Imperatriz Long Yu ultima monarca efetiva da China, sua atuação nos momentos finais do filme como uma imperatriz derrotada é muito empolgante e as cenas finais com a personagens carregadas de muito drama.

Um esforço pela beleza e pela aula de história

Em um apanhado geral podemos ver 1911 como um filme propaganda construido unicamente para agraciar o ponto de vista histórico do governo atual, pode não ser completamente a verdade de todos os fatos, o enredo pode ser precário e em determinados pontos uma tanto vazio, porém ao terminarmos de assistir 1911 fica para nós a sensação  de que 1911 é um bom filme,  pois prende a atenção, empolga nos momentos dramáticos e impressiona nas cenas de luta, com certeza não é o melhor filme na carreira do Jackie Chan nem de nenhum dos envolvidos, porém mostra um ponto curioso que diferente de filmes como “O nascimento de uma republica” ou “O inicio do grande levante” dois outros filmes com alto investimento para propaganda, se mostra como um filme muito superior aos dois citados, pois consegue divertir contando uma talvez duvidosa versão da história, e faz com que não nos demos conta disso. Para os fãs do Jackie Chan que esperam algo com mais artes marciais com certeza irão se decepcionar mas fica a dica de um filme que é uma aula de história que diverte muito se formos parar para pensar no final.

Nota 8

Trailer

Fique abaixo com belas imagens do filme:

Anúncios