Review**Bodyguards and Assassins – Guarda costas e Assassinos

Finalmente! O vencedor do Hong Kong Movie Awards 2010 da as caras aqui no CHKMDB, temos aqui um filme de ação,drama e muito fator histórico nesse blockbuster que conseguiu pular do oriente para o ocidente se tornando bem popular além das fronteiras de seu pais de origem.

Bodyguards and Assassins melhor filme Hong Kong Movie Awards 2010

Filme do diretor Teddy Chan (Acidental Spy, Silk-como ator), diretor que ainda não tinha tido seu “grande filme”, como ator também nada incrível, nem diretor e nem escritor; o rapaz estava fazendo uma carreira morna até sua estréia no mundo da fama em “Bodyguards and Assassins” em 2009, contou com um orçamento gordo de $23 milhões de dólares (o que para um filme de hong kong é um quantia considerável); e um elenco de dar inveja entre os quais todos os nomes a seguir se destacam:Donnie Yen, Nicholas Tse, Leon Lai, Wang Xueqi, Tony Leung Ka-Fai, Hu Jun, Eric Tsang, Simon Yam, LiYuchun, Mengke Batter, Fan BingBing dentre outras estrelas. Bem depois de todo esse dinheiro envolvido, e todas as estrelas em questão estava na hora do diretor mostrar mais do que ele já havia mostrado, alçar vôos maiores do que pequenas comédias e participações que havia feito em seus outros trabalhos, dar uma repirada e partir para o futuro; contando com a ajuda dos produtores Peter Chan (Comrades Almost a love story) e Huang Jianxin(The founding of a republic — co-diretor).

um dos personagens mais "bobos" do filme

A história do filme se concentra na China de 1905 onde somos apresentados ao período do Imperialismo Britânico, onde a corrupta Dinastia Qing contribuía para a destruição e descaracterização da China como país. A cena inicial de estudantes ouvindo palavras democráticas de um professor que é assassinado por um membro da Dinastia da inicio ao fatos da vida de diversos personagens pelos quais a história ira “passar”, estamos as margens do nascimento do Nacionalismo na China e Sun Yat Sen esta prestes a chegar em Hong Kong para um reunião que servira como planejamento para a futura revolução de 1911.Acompanhamos o dia a dia de cada um dos 12 personagens centrais da história os quais boa parte terá a difícil tarefa de proteger Sun quando chegar a Hong Kong de assassinos enviados para mata-lo.

o grande momento do filme, Sun rodeado de guarda-costas

Um enredo com muito apelo nacional para os chineses, Sun Yat Sen é considerado tanto or Taiwan como pela China como “O pai da China moderna”; como personagem ja foi utilizado em centenas de produções muito boas no cinema, mas Bodyguards and Assassins procurou uma nova abordagem do tema politico que chega para alguns a ser enfadonho; somos apresentados a diversos personagens com uma certa ligação, temos um malandro de ruas que trabalha para quem pagar seus serviços chamado Sum (Donnie Yen), temos um velho homem com família e carreira profissional formada chamado Liu Yue-Tang(Xueqi Wang), temos Ah Si um simples servo de Liu que ajudará a proteger o homem que mudará o pais, temos o mendigo Lau Yuk-Bak que é um mestre de kung fu com um passado triste, dentre muitos outros personagens com suas características e relações entre si em uma trama de relacionamentos atuais e passados que o enredo explica em seu devido momento para cada um deles.

Pronto! não podia faltar uma screen do Donnie Yen

E é no enredo que o filme tem seu potencial e seus problemas, o tema é bom, muito clichê e gera mais um dos filmes que para quem acompanha o cinema chinês como um todo já não agüenta mais, é que nem o período pós-resgate do soldado Ryan em hollywood, onde filme de guerra eram abundantes; o enredo de Bodyguards and Assassins gera situações dramáticas de patriotismo que facilmente são encontradas em 80% das produções de sua origem nos últimos anos, não apresenta nenhuma reviravolta e pode parecer um tanto “rápido demais” para quem gosta de boas explicações; seu maior problema está por querer explicar o passado e a relação de um numero muito grande de personagens que são os “Guarda Costas” do filme, não sobra muito tempo para o espectador sentir afinidade com nenhum deles, e nenhuma situação consegue reverter isso, um lutara pelo pais, a outra pelo pai que foi morto pela dinastia, o outro pelo seu futuro, um não tem nada a perder, e é nisso que “dá tempo para se aprofundar”. O trunfo do filme porém é deixar de lado a “qualidade” de sua história como um todo e personagens, mas sim focar em um bom desenvolvimento separando o filme  em duas metades de uma hora cada, a primeira com rápida apresentação e entendimento histórico do tema, e a segunda pancadaria, muita pancadaria; o filme consegue apesar de sua pressa e pouca simpatia dos personagens (deixando de lado a atuação pois os atores são ótimos), prender a atenção do espectador, passando a sensação de apreensão pois o momento mais esperado da história é quando Sun chega a Hong Kong e os guarda costas começam a trabalhar, não existe uma cena onde a expectativa do “momento final” chegue, isso gera um conflito muito estranho e bom para quem assiste ao filme, apesar de não ter um personagem que mereça torcer, ficamos curiosos e empolgados para as cenas de ação que nos aguardam a segunda metade da história.

Boas interpretações, momentos bons, personagens péssimos

Ação; essa é a palavra para o melhor fator desse filme, e também sua proposta inicial (espero); a ação da segunda metade do filme se desenvolve em uma hora interrupta de kung fu, perseguições desfecho de personagens e do filme como um todo, tecnicamente muito bem feito, uma cidade cheia de vida, milhares de figurantes, cenografia perfeita, ótimos efeitos especiais, e muita coreografia de luta de tirar o folego; praticamente todo o filme se baseia nessa segunda metade, pois todo seu enredo simplesmente empurra o espectador para esse momento gerando expectativa no mesmo, expectativa essa que é atendida brindando quem assiste o filme com um ótimo desfecho.

uma das cenas da boa metade do filme

Quando terminamos de assistir Bodyguards and Assassins sentimos uma infinidade de opiniões sobre o filme, sabemos que seu enredo falha em alguns pontos, seus personagens apesar de interpretados por bons atores não transmitem simpatia, sabemos que a história é clichê e o drama não nos surpreende nas cenas mais tristes; mas mesmo assim concluímos “nossa aquelas cenas de luta foram d+”; e é nisso que nos baseamos ao recomendar o filme. Um filme que não vale muito como um todo, mas vale tudo com uma metade.

A melhor cena do filme, Leon Lai não deixa ninguém passar

Um bom filme apesar de tudo.

Nota 6.0

Anúncios